Como lidar com meu marido alcoólatra?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

“Eu já não sei mais o que fazer!”

Talvez seja isso o que você mais escuta, ou talvez seja exatamente assim como você se sente. O sentimento de bloqueio total, na maioria das vezes,  vem da experiência de inúmeras tentativas frustradas, ao longo de tantos anos, provocando esta sensação deletéria que deseja sempre indicar que não existe solução para este problema. É assim que você se sente e, pior ainda, este sentimento é acompanhado de um ar pesado de desestruturação, que acaba envolvendo toda a sua vida. Conseqüentemente, a vida familiar, os amigos, e aquela experiência de felicidade tão sonhada, são itens que  ficam cada vez mais distantes.

“Quem poderá me ajudar, me indicar um caminho, uma estrada segura que eu possa fazer e, de fato, que me faça experimentar estar, de alguma forma, em  alguma direção que me retire desse desespero?”

Nós vamos te responder agora!

O fato de você se sentir desta forma, não significa que você é uma pessoa fraca, ou incapaz de encontrar um caminho com as suas próprias habilidades. Isso somente significa que você precisa de ajuda e, para dizer a verdade, é a coisa mais importante que você poderia fazer neste momento: pedir ajuda adequada. Por isso, estamos aqui!

O problema é que, por inúmeras razões, as mulheres não pedem ajuda em situações como estas, em outras ligadas às dificuldades na vida sexual, ou na educação dos filhos. Indubitavelmente, pedir ajuda é a melhor coisa que a gente pode fazer nessas horas.

O que vamos ver a seguir são três passos, atitudes básicas e fundamentais para ajudar você a se posicionar diante desta situação. Compreenda que a questão mais importante agora, é descobrir um modo de você se posicionar sobre o que está acontecendo. Você já deve ter percebido que buscar uma solução tendo como cenário aquela velha pergunta: “o que que eu faço com meu marido?” não vai levar você a lugar nenhum. Pelo contrário, este modo de indagar sobre o que está acontecendo, na verdade, vem acompanhando você há muito tempo e você é a maior prova de que não existe um algo a fazer que possa resultar na mudança concreta que você tanto deseja. Por isso, o que vamos lhe apresentar aqui, são indicações para ajudar você a se posicionar.

Vamos lá?

Não sabemos se você entende de lutas e nós entendemos quase nada. Entretanto, dá para a gente perceber nessas lutas que passam na televisão, que se a pessoa se posicionar corretamente antes de dar algum golpe no inimigo, poderá assim definir se vai dar resultado ou não. É fundamental o modo de pôr os pés no chão, de equilibrar o corpo, o fato de ter ou não ter equilíbrio suficiente para manter-se de pé… São coisas fundamentais para que um golpe possa gerar resultados. É sobre isso que nós estamos falando!

Pensando nisso,  nós indicamos uma estratégia em três passos para o seu posicionamento diante de seu marido e o uso do álcool. 

Primeiro, cuide de você, e  aqui não existe nada de egoísmo, nem daquele tipo de visão que nos direciona para o individualismo e suas expressões tão assustadoras.

Trata-se de você entender que quem, em primeiro lugar, precisa estar de pé é você! É você quem precisa disso! Cuidar da saúde, fazer as unhas, cultivar amigos de verdade, cuidar de sua espiritualidade e vida de oração… Enfim, querer bem a você, por conta de seu lugar neste mundo, pelo fato de que seu marido tem um problema que atinge sua vida, sua família e quase tudo o que está ao seu redor… Mas este problema não é você e, a pior coisa que poderia acontecer agora, seria você se identificar tanto com este problema que você acaba se confundindo com ele, ao ponto de  também adoecer. Além de sua identidade, você tem sua missão, seu lugar neste mundo e no coração de tanta gente que a ama. Entenda que você se merece. Você precisa de você de volta, entende? E então? Quais são os próximos passos?

Depois, será importante considerar que o que seu marido enfrenta é uma doença. Muitas mulheres, por causa do sofrimento ao qual são submetidas diariamente e, especialmente, pela dor e vergonha de sofrer o que sofrem no desespero, alegam que coisas como falta de caráter, ausência de vergonha na cara e sem-vergonhice são as causas do alcoolismo de seus maridos. O fato é que, embora muitas destas coisas estejam presentes, existe um fator médico que é necessário ser considerado. 

O CISA,  Centro de Informações sobre saúde e álcool,  ensina que o alcoolismo é uma doença “definida pela 10ª edição da Classificação Internacional de Doenças (CID-10), da Organização Mundial da Saúde (OMS), como um conjunto de fenômenos comportamentais, cognitivos e fisiológicos que se desenvolvem após o uso repetido de álcool, tipicamente associado aos seguintes sintomas: forte desejo de beber, dificuldade de controlar o consumo (não conseguir parar de beber depois de ter começado), uso continuado apesar das conseqüências negativas, maior prioridade dada ao uso da substância em detrimento de outras atividades e obrigações, aumento da tolerância (necessidade de doses maiores de álcool para atingir o mesmo efeito obtido com doses anteriormente inferiores ou efeito cada vez menor com uma mesma dose da substância) e por vezes um estado de abstinência física (sintomas como sudorese, tremores e ansiedade quando a pessoa está sem o álcool).

Dr. Drauzio Varella explica que “do ponto de vista médico, o alcoolismo é uma doença crônica, com aspectos comportamentais e socioeconômicos, caracterizada pelo consumo compulsivo de álcool, na qual o usuário se torna progressivamente tolerante à intoxicação produzida pela droga e desenvolve sinais e sintomas de abstinência, quando a mesma é retirada.”

Por isso, para além de considerar que existe um comportamento que compromete as questões próprias de caráter, não considerar estes aspectos médicos é muito perigoso. 

Finalmente, entenda que por trás de uma necessidade de  álcool, drogas ou remédios, existe uma carência de afeto, e esta é uma das questões mais importantes que você precisa considerar. 

Seu marido precisa de você, e do seu amor, da sua presença, da sua confiança, de seus gestos, palavras e comportamento que o levem a experimentar que, não obstante tudo aquilo que ele está passando, ele é alguém amado. Aqui, de um lado está um grande desafio, pois você se sente muito machucada com tudo isso que está acontecendo e, é obvio que você se encontra também em  necessidade de ser amada e cuidada; por outro lado encontramos aqui uma proposta profundamente cristã: amar quem  não merece o meu amor! Sua vida de oração e espiritualidade e os cuidados com os quais você lida com essas realidades são fundamentais e, de alguma forma, nós aqui voltamos para o primeiro ponto, isto é o fato de que você precisa cuidar de você.

Você já percebeu, não é? Não existe uma resposta pronta, uma receita com aqueles ingredientes que poderiam funcionar exatamente da maneira como você tanto deseja. O que existe é um caminho dentro da sua realidade, e que poderá ser utilizado na medida em que você vai pondo em prática o seu modo de se posicionar diante de tudo isso. Significa que é preciso dar um passo após o outro!

Será muito importante que você deixe aqui o seu comentário, compartilhando a sua experiência e, com certeza, ajudando também há muitas outras mulheres que estão passando exatamente o que você passa e se sentem exatamente como você se sente, e você poderá também ajudar muitas outras.

NEWSLATTER

Fique por dentro das nossas novidades!